O maior portal idependente da raça quarto de milha no Brasil

Ao meu amo, ofereço minha oração: dá-me comida e cuida de mim, e quando a jornada terminar – dá-me abrigo, uma cama limpa e seca e uma baia ampla para descansar em conforto.

Fala comigo – tua voz muitas vezes significa para mim o mesmo que as rédeas

Afaga-me, as vezes, para que te possa servir com mais alegria e aprenda a te amar.

Não maltrates a minha boca com freio e não me faças correr ao subir um morro.

Nunca – eu te suplico – me agridas ou me espanque quando não entender o que queres de mim, mas dá-me uma oportunidade de te compreender.

E, quando não for obediente ao teu comando, vê se algo não está correto nos meus arreios, ou maltratando meus pés.

E, finalmente, quando a minha utilidade se acabar, não me deixes morrer de frio ou à mingua nem me vendas para alguém cruel para ser lentamente torturado ou morrer de fome.

Mas, bondosamente, meu amo, sacrifica-me tu mesmo e teu Deus te recompensará para sempre.

Não me julgues irreverente se te peço isto, em nome d’Aquele que também nasceu num estábulo.

Traduzido por: Heraldo de Araujo Pessoa

.